domingo, julho 11, 2010

Confissões

Daquelas costas tão fartas

Que eu muito acariciei

Ainda guardo o mapa

Das curvas que eu desenhei



Aquela boca carnuda

Que me tentou a beijá-la

Tomou-me a respiração

Quando tentei sufocá-la



As tuas pernas tão fortes

Num gesto descomunal

Me prendiam me laçavam

Feito uma cobra coral



És ninfa de mil encantos

Orfeu dos meus pensamentos

Tu és sentença e juiz

De todos os meus sentimentos


Antônio José Xavier (Apolo)



P.S.: Paixão! Eis a alegria e desgraça do ser humano. Ela constrói e destrói, dá, tira, torce e remói...

2 comentários:

Diana Athenas disse...

Meninoooo...
Adorei!!!
Luxúrias sinceras, me interessam.... ahahahahahahaha
perfeito, parabéns

Antônio José Xavier (Apolo) disse...

Brigadão Di.
Vc sabe o quanto eu adorOoO tudo isso né?... rsrsrsrs...

Brigadão mesmo!!!