quarta-feira, novembro 17, 2010

Oceano

Eu vi um oceano em teu olhar

Era manso calmo e infinito

Assim como é o teu coração

Lindo cenário de um azul bonito


Eu vi um oceano em teu olhar

E os seus corais fartos coloridos

Fartos como as tuas costas largas

Talhadas por meus dedos incontidos


Eu vi um oceano em teu olhar

E estrelas no céu que acima brilha

Para formar desenhos zodiacais

E meus passos seguirem tua trilha


Eu vi um oceano em teu olhar

E as flores varando a madrugada

Testemunhas ocultas dos teus beijos

Contemplando a nossa alvorada


Eu vi um oceano em teu olhar

E nesse teu olhar eu mergulhei

E pouco a pouco me fui indo

Até que finalmente me afoguei



2 comentários:

TARCIO VIU ASSIM disse...

Que bonito, Xavier! E trágico!! Ah, esses amores clandestinos.... ! ;-)

Antônio José Xavier (Apolo) disse...

-O que seria do poeta se não fossem os amores e as tragédias? Pois são estes espetáculos diários da vida que geram a força motriz para a inspiração do poeta.