segunda-feira, outubro 12, 2009

CONFUSÃO

Teus olhos não os consigo encontrar,
E quando os vejo nada lá existe.
Não sei por que a gente ainda insiste,
Se estamos um do outro a cansar...
Quando o amor consegue respirar,
Mesmo sabendo que ainda se gosta
Precisa-se ver se a relação suposta
Sabe distinguir felicidade e solidão,
Pra que tudo não recaia em confusão
E chegue-se num lugar que não tem volta.

Nada é pra sempre e isso me atordoa,
Disse o poeta carnaval tem seu fim,
Mas o final pode terminar em sim
Ou em não, quando o casal destoa,
E quão triste esta sentença soa...
Não sei se é cedo pra seguir em frente
Ou se é tarde pra se tirar da mente
Um sentimento por alguém que se ama
Pra acabar o que ontem era chama
Esquecer tudo aquilo que se sente.

Dê-me esperança e ao nosso amor!
Diga que’inda podemos ser felizes
E que o eu te amo que todo dia dizes
É dito por tua alma, com verdadeiro ardor
Só assim para meu espírito sofredor
Acalmar-se e não pensar nesse dilema
E que este escrito não passe de um poema
Vil, medíocre,triste e mentiroso
E que este pensamento agora tenebroso
Seja pra mim não mais que um triste tema.

Diana Athenas Marques Magalhães
 
Como disse minha amiga Ariadnée em outro post,
qualquer semelhança com a relidade será mera coincidência !! =~~

3 comentários:

MAURO disse...

TÔ GOSTANDO DA VIAGEM DO OLÍMPIO.... AS DEUSAS ESTÃO DE PARABÉNS..HEHEHE..KISS XEROS

José Augusto disse...

se diante pensamento tu me falas
porém esteja retida a um sentimento
preferiria dizer-te "te calas"
só assim ñ escutarias seus lamentos
estás presa a uma ilusão inanimada
seguindo num pranto que ñ para
vivendo intensamente seu tormento!

maninha aguenta esse coraçao vai...

muito bom seu poema abraços!

Diana Athenas disse...

Vlw maninhooooo...